Agosto - 2020 - Edição 258

Cuidado com a crase!

“Márcia foi a casa dos avós para lhes fazer uma visita, mas não os encontrou.”
A falta do acento grave indicativo de crase atrapalhou tudo! Veja bem: antes da palavra casa só não se admite a crase quando ela se referir ao local onde moramos.
Ex.: “Chegou cedo a casa.” Quando o local for determinado, no caso, a casa, deve-se usar a crase.
Ex.: “Ela chegou cedo à casa da amiga.” Período correto: “Márcia foi à casa dos avós para lhes fazer uma visita, mas não os encontrou.”


Cooperação

“Dinorá não quis coperar com a amiga na distribuição das quentinhas aos mais necessitados.”
Que atitude feia, devemos sempre ajudar os que mais precisam. Não existe o verbo “coperar”, o correto é cooperar. Em tempo: o prefixo co se aglutina com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o ou h (nesse último caso, elimina-se o h). Se a palavra seguinte começar por r ou s, dobram-se essas letras. Ex.: cooperar, coabitação, coerdeiro, cofundador etc.
Período correto: “Dinorá não quis cooperar com a amiga na distribuição das quentinhas aos mais necessitados.”


Sanduíche ruim

“Regiane pediu sanduíche recheado de peito de perú, mas a atendente disse que não tinha.”
Ainda bem! Veja: peru é palavra oxítona terminada em u, portanto não deve ser acentuada. Lembrando que as oxítonas terminadas em i também não devem ser acentuadas.
Ex.: Pacaembu, caju, urubu, Parati, abacaxi etc. O acento somente é admitido quando formar hiatos com a vogal anterior.
Ex.: Itaú (hiato a-u), baú (a-u), Itajaí (a-i) etc. Período correto: “Regiane pediu sanduíche recheado de peito de peru, mas a atendente disse que não tinha.”


Ataque inofensivo

“Renato retornava para a fazenda quando foi atacado por bandidos encapuçados.” Nada de mal lhe aconteceu! Não existe a palavra “encapuçado”. O adjetivo encapuzado é o correto, derivado do verbo encapuzar, cobrir-se com capuz.


A pescaria deu errado

aria deu errado “Ronaldo aguardava os ventos favorável para levantar as velas e seguir ao ponto de pesca.”
Escrevendo dessa forma, não vai pescar nada! Veja como fica o plural das palavras compostas: substantivo (ventos) + adjetivo (favorável) – os dois elementos vão para o plural – ventos favoráveis. Período correto: “Ronaldo aguardava os ventos favoráveis para levantar as velas e seguir ao ponto de pesca.”


Discussão sem fim

“Os condôminos discutiam, mas não achegavam a um consenso geral.” Não vão chegar a um consenso nunca, escrevendo dessa maneira. Consenso significa concordância de ideias, de opiniões. Se há um consenso, ele já é geral, logo, “consenso geral” é uma redundância desnecessária.
Período correto: “Os condôminos discutiam, mas não chegavam a um consenso.”


Reuniões de estudos

“As adolescentes se reuniam às terças-feiras afim de estudarem juntas para o Enem.”
Não estariam aprendendo nada...
Preste atenção:
Afim – semelhante, similar, parecido etc. / A fim de – para, a propósito de, com a intenção de etc. Período correto: “As adolescentes se reuniam às terças-feiras a fim de estudarem juntas para o Enem.”


Emoção demais

“A neta do político preso disse ao jornalista: ‘Ficamos fora de si com a prisão do nosso avô.”
É emoção demais, até errou a concordância. Veja: o pronome deve concordar com o verbo. Nós ficamos fora de nós. Período correto: “A neta do político preso disse ao jornalista: ‘Ficamos fora de nós com a prisão do nosso avô.’”


Iluminação precária

“As sobrinhas ficaram no escuro, pois a tia não as ensinou a acender o candieiro.”
Nem poderiam ter luz, já que a palavra “candieiro” não existe.
O vocábulo correto é candeeiro. Período correto: “As sobrinhas ficaram no escuro, pois a tia não as ensinou a acender o candeeiro.



Por Arnaldo Niskier – Ilustrações de Zé Roberto