Literatura Infantil

Por Anna Maria de Oliveira Rennhack

E vamos adiante!

A professora, pesquisadora e escritora Marisa Lajolo proferiu a palestra “Na classe, com Mestre Cândido”, no dia 19 de setembro, no Teatro R. Magalhães Jr., na Academia Brasileira de Letras, dando continuidade ao ciclo de Conferências “Cadeira 41”. A coordenadora do Ciclo é a acadêmica Ana Maria Machado. Duas autoras especiais de literatura infantil e juvenil.

A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ, superando dificuldades, conseguiu realizar o 21º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens, de 23 a 31 de outubro. Com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através do Superintendente do Livro e Conhecimento, Pedro Gerolimich, as atividades literárias e os estandes das editoras participantes ocuparam o espaço da Biblioteca Parque, no Centro da cidade. O novo local recebeu autores, ilustradores, editores, especialistas, professores e, principalmente, leitores de literatura infantil e juvenil. Como sempre aconteceu a cada Salão, apesar dos recursos limitados, com o apoio das editoras, todas as crianças e jovens presentes receberam gratuitamente um livro, dentro dos padrões de qualidade sempre defendidos pela Fundação.

A solenidade de abertura e a premiação dos autores, ilustradores, tradutores e editores referente à produção editorial de 2018 aconteceu no dia 23 de outubro. Na oportunidade, a escritora Ana Maria Machado foi homenageada pelos 50 anos de produção de literatura infantil e juvenil. Foram lembrados, com carinho, parceiros e destaques da área que faleceram recentemente, como a querida Regina Yolanda, o editor Alencar Mayrink e a diretora da empresa Arco, responsável pela estrutura física e organizacional do Salão, Heloisa Alves.

As fotos a seguir apresentam um pouco da confraternização que sempre acontece nos encontros do Salão FNLIJ:

Homenageamos a todos os vencedores do Prêmio FNLIJ 2019 (produção 2018), apresentando três livros premiados:

Se Os Tubarões Fossem Homens – texto de Bertold Brecht, tradução de Christine Röhrig, magníficas ilustrações de Nelson Cruz, Editora Olho de Vidro. Metáfora que permite a discussão, através de um texto repleto de ironia, sobre a organização social do mundo, os valores éticos e as relações de poder, em que o foco está nos poderosos. As ilustrações do artista aproximam a obra para os mais jovens. Prêmio Tradução/Adaptação Criança e Prêmio Melhor Ilustração – Hors Concours.

Enreduana – texto de Roger Mello e ilustrações de Mariana Massarani, Companhia das Letrinhas. Prêmio O Melhor Livro para o Jovem – Hors Concours e Prêmio Melhor Ilustração. “Boa parte da história de Enreduana é envolta em mistério. O que se sabe é que ela nasceu em 2300 a.C., em Acádia, na Mesopotâmia, sendo filha do rei Sargão. Seu nome era composto por duas palavras: “En”, cuja tradução é “alta sacerdotisa”, e “heduana”, que significa “um adorno do céu, ou a própria lua”. Claro que o mistério e a fantasia nos atraem para essa história mágica, que Roger conta com ternura e admiração e Mariana a envolve na riqueza de suas ilustrações.

Se Eu Abrir Esta Porta Agora... – texto e ilustrações de Alexandre Rampazo – Editora Sesi. Quantas surpresas atrás de cada porta? Como enfrentar medos e ansiedades? O próprio objeto livro participa da narrativa, pois o autor provoca o leitor ao fazer com que ele abra cada porta e descubra o que existe atrás de cada uma. Prêmio O Melhor Livro para Criança e Melhor Projeto Editorial.