Literatura Infantil

Por Anna Maria de Oliveira Rennhack

Esperança ou teimosia!

Com Marte como planeta regente e vermelho como cor preferida, não consigo esperar muito para que as coisas aconteçam. Prefiro lutar por elas e buscar alternativas. Assim, respeito a sugestão da Anna Cláudia Ramos, de Salão da Esperança, mas escolho a da Miriam Ribeiro que denominou o 20o Salão FNLIJ do Livro Infantil e Juvenil 2018 como o Salão da Teimosia.

O Salão aconteceu de 27 de junho a 5 de julho, no Centro de Convenções SulAmérica e, este ano, o espaço foi menor, com design simplificado, poucos recursos, Copa do Mundo no meio, mas repleto de atividades enriquecedoras de leitura, painéis e debates, lançamentos, encontros e comemorações. Marisa Borba e Beatriz Serra foram incansáveis.

São tempos difíceis, educação e cultura são violentadas a cada dia, mas não ficamos esperando, vestimos a camisa e fomos receber crianças e professores, editores e especialistas, autores e ilustradores que tornaram grande o evento. Com a participação fundamental da Secretaria Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro, que mais uma vez proporcionou a compra de livros pelos professores das escolas cariocas.

Pequeno atualmente no formato, mas enorme no coração de todos os que acreditam no poder da leitura! É preciso, sim, manter esperança por dias melhores, mas teimar, enfaticamente, pela valorização e disseminação da leitura e dos livros de qualidade.

Que o próximo Salão aconteça no seu apogeu, em 2019, com Elizabeth Serra à frente! Já estamos começando, teimosamente, os trabalhos!

A mesa de abertura do 20º Salão FNLIJ do Livro Infantil e Juvenil 2018 – Da esquerda para a direita: Vera Esaú, Câmara Brasileira do Livro; Heveny Mattos, Secretaria Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro; representantes da FNLIJ: Laura Sandroni – presidente emérita; Wander Soares – presidente do Conselho Diretor; Marisa Borba e Anna Rennhack – Conselho Diretor; Isis Valéria Gomes – Conselho Curador; e Alexandre de Castro Gomes, presidente da AEILIJ – Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil.

O primeiro dia do Salão FNLIJ foi exclusivo para os professores da rede municipal. Na foto, Nilma Lacerda conversa com os professores. O autor Luiz Antônio Aguiar também participou.

A escritora Marina Colasanti (à direita), vencedora do III Prêmio Ibero-Americano, com Volnei Canônica e Marisa Borba no Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós.

O autor Leo Cunha e a ilustradora Anna Cunha, no lançamento do livro Só de Brincadeira (Positivo).

O Mar de Cecília, escrito e ilustrado por Rosinha e editado por Gil Vieira Sales (Ed. do Brasil), recebeu o Prêmio FNLIJ Poesia. A obra foi comentada com Patrícia Corsino (à esquerda) nos Encontros Paralelos.

Cris Alhadeff no Espaço do Ilustrador.

Nos Encontros Paralelos, Roger Mello e Anna Rennhack conversam sobre Clarice (Global).

Cristino Wapichana no Espaço de Leitura FNLIJ, no lançamento de O Cão e o Curumim (Melhoramentos).

Mundurukando (UK’A editorial), de Daniel Munduruku, também foi apresentado nos Encontros Paralelos. Na foto, o autor e Anna Rennhack.

O Livro do Ano, escolhido pelos associados da AEILIJ dentre os vencedores do primeiro Prêmio AEILIJ de Literatura infantil, Juvenil e de ilustração, foi Liberdade para as Fábulas – Esopo (Escarlate), de Luiz Antônio Aguiar, com ilustrações de Márcia Széliga. Na foto, o autor (à esquerda) e o presidente da Associação, Alexandre de Castro Gomes.